Como Ganhar Dinheiro na Internet Interagindo nas Redes Sociais?

Tempo de leitura: 6 minutos

Influenciador digital: o que é e como classificá-lo?

influenciador digital é um profissional cada vez mais procurado por empresas e marcas que buscam se divulgar no meio das redes sociais.
Utilizar influenciadores digitais para falar de sua empresa pode gerar um grande retorno financeiro. Segundo uma pesquisa feita recentemente, 92% dos usuários confiam mais em recomendações de outras pessoas –mesmo as que não conhecem– do que em conteúdo publicitário da própria marca. Cerca de 20% das mulheres ativas em redes sociais se sentem motivadas a considerar produtos promovidos por blogueiras e youtubers que elas conhecem. Já imaginou o quão importante pode ser o que falam sobre uma determinada empresa nas redes sociais?Os influenciadores digitais não estão mais apenas nos blogs ou Youtube, mas também em perfis do Instagram, Snapchat, ocupando as principais redes sociais ao mesmo tempo. Daí o nome Influenciador Digital.  São pessoas que tem uma grande capacidade de engajar o público.Estamos na Era Digital e, aos poucos, as marcas passam a absorver esse conceito. Para se ter uma ideia da mudança de paradigma que estamos vivendo, segundo pesquisa recente realizada pela Rakuten Marketing Internacional, 30% dos pais admitem que estão propensos a gastar mais em um produto de roupas para seus filhos se ele foi “induzido” por algum influenciador digital, como uma blogueira, vlogger ou instagrammer.O estudo também apontou que 23% dos pais confiam mais em influenciadores online para tomadas de decisão. Enquanto se achava que a influência viria muito por conta de espelho em celebridades, os dados da pesquisa mostraram que são os influenciadores online que estão “fazendo as cabeças” desse público.Influenciador digital é um indivíduo que exerce impacto acima da média num segmento, seja ele grande, pequeno ou mesmo um nicho. É capaz de formar um público fiel e engajado, exercendo influência sobre suas opiniões e atitudes. Em última análise, influencia a tomada de decisão de compra das pessoas que o seguem. Os influenciadores digitais são também chamados de creators pela alta capacidade de produção de conteúdo relevante para seu público.

Embora a influência, por definição, seja um fenômeno inerente à natureza de grupos de pessoas — e, portanto, muito anterior à internet —, o termo “influenciador” é hoje muito associado a plataformas digitais e a redes sociais. Como consequência, segundo o Google Trends, a palavra é três vezes mais buscada em 2017 do que era em 2012.O que caracteriza o influenciador digital é o alto desempenho em três aspectos: alcance, relevância e ressonância. Esses três elementos funcionam como pilares da influência.Esse conceito é importante no contexto do marketing de influência porque ajuda a compreender não apenas o efeito da influência em si, mas permite identificar os reais influenciadores digitais. Por exemplo, um usuário de rede social que tenha muitos seguidores (alcance), mas não gere engajamento (ressonância) nem tenha relevância no grupo não é um influenciador digital. Da mesma forma, alguém que produza conteúdo altamente relevante, mas tenha apenas 80 seguidores também não é um influenciador digital por causa do baixo alcance. E por aí vai.Um alerta é importante: alcance não pressupõe grandes audiências. Existem segmentos de todos os tamanhos. Um influenciador digital popular em música eletrônica, por exemplo, tende a reunir muito mais fãs do que alguém influente em música erudita. No entanto, o especialista em música erudita talvez tenha alcance, relevância e ressonância relativamente maiores.

Influenciador digital: nativo ou não?

Entre os influenciadores, existem os produtores de conteúdo online, como youtubers, instagramers e blogueiros, mas a classificação também incorpora outros tipos:

Nativos digitais: são famosos que formaram seus públicos nas próprias plataformas digitais e redes sociais — como blog, YouTube, Instagram, Facebook, podcast etc. Alguns exemplos: Gabriela Pugliesi, Whindersson Nunes, PewDiePie e Hugo Gloss.Celebridades: ficaram famosos em mídias tradicionais — como TV, cinema, rádio — e aproveitaram a popularidade para criar público nas redes sociais. Casos de Luciano Huck, Anita e Neymar.Jornalistas: o mecanismo é similar ao das celebridades, pois usaram a reputação e o renome adquiridos em outras mídias para construir seu próprio público — como aconteceu com Luis Nassif e Leonardo Sakamoto.Autoridades: têm exposição na mídia porque são constantemente utilizados como fonte ou referência na mídia tradicional. E, a exemplo de celebridades e jornalistas, usam a fama para impulsionar seus canais online. Exemplos: Dráuzio Varella, Mário Sérgio Cortella, Paulo Miranda Nascimento, Neil Degrasse Tyson, Márcio Atalla, Laura Muller.Ativistas: eles podem ser classificados como um tipo de influenciador digital. Formaram uma audiência não exatamente porque lançaram um determinado conteúdo, mas porque conseguiram conquistar uma posição de liderança em grupos que se unem em torno de uma causa. São casos de Luisa Mel, Emma Watson, Björk, Taís Araújo e Jout Jout.

O papel do influenciador digital

Segundo dados do Interactive Avertising Bureau (IAB), 87% dos brasileiros com acesso à internet estão presentes em algum tipo de rede social e fazem três pesquisas antes de realizar alguma compra. É nesse contexto que o influenciador digital ganha importância do ponto de vista do marketing. Como eles têm poder de persuasão sobre os consumidores, tê-los como aliados da marca pode fazer uma grande diferença. Esse mecanismo explica o crescimento do marketing de influência nos Estados Unidos desde 2014 — e no Brasil a partir de 2017.
No final de 2015, o Youpix publicou no YouTube um vídeo sobre a revolução cultural e comportamental promovida pelos influenciadores digitais. É uma espécie de minidocumentário que coloca o influenciador na condição de um player de mídia.Para Fred Furtado, diretor da agência Tubelab, além da expressiva quantidade de seguidores e fãs, um grande influenciador digital pode ser classificado como um indivíduo completo, capaz de desempenhar diversas funções realizadas pelos profissionais de comunicação.
“Em algum momento, foi necessário contratar um ator, uma produtora e ainda de um veículo de comunicação para criar anúncios ou fazer campanhas. Atualmente, o influenciador reúne esses três elementos numa pessoa só. A construção da mensagem já vem toda montada porque o influenciador carrega tudo com ele. Ou seja, é muito mais que o CPC, ou CPM ou o ROI da campanha.”

Olhar sarcástico sobre o influenciador digital

Os creators já ocupam uma posição relevante no cenário do marketing digital brasileiro. Se, por um lado, isso gera oportunidades e impulsiona o marketing de influência, por outro lado gera críticas. O Porta dos Fundos, por exemplo, ironizou os influenciadores digitais que produzem conteúdo de baixa relevância.Uma forma madura de reagir à crítica do Porta dos Fundos talvez seja pensar da seguinte forma: é melhor ser criticado do que ignorado.

Deixe o seu comentário aqui!

comments